Melo: por que pode a Expointer e não eventos de porte menor em POA?

Melo: por que pode a Expointer e não eventos de porte menor em POA?

Prefeito aguarda para esta semana a manifestação do governo do Estado

Taline Oppitz

Melo: por que pode a Expointer e não eventos de porte menor em POA?

publicidade

O prefeito de Porto Alegre, Sebastião Melo (MDB), aguarda para esta semana a manifestação do governo do Estado sobre o pedido de liberação, gradual, de grandes eventos na Capital. A resposta era esperada para a última semana, mas acabou não ocorrendo em função de pedidos de esclarecimentos, pelo Executivo gaúcho, sobre pontos da solicitação apresentada pelo Paço Municipal. Melo tem conversado quase que diariamente com o vice-governador e secretário de Segurança Pública sobre o tema. O prefeito está otimista de que o pedido seja avalizado.

“O governo do Estado autorizou e realizará a Expointer, em Esteio. Circulam mais de 25 mil pessoas na feira. Por que pode a Expointer e não eventos de porte muito menor em Porto Alegre? As coisas precisam ser tratadas de forma igual. Se não foram, está errado”, disse Melo neste domingo à coluna.

O Centro Estadual de Vigilância em Saúde informou no sábado, por meio de comunicado, a ocorrência de transmissão comunitária da variante Delta no Rio Grande do Sul. Primeiramente detectada na Índia, a variante teve os dois primeiros casos no Estado registrados dia 19, no município de Gramado. O conceito de transmissão comunitária ou local é definido quando o contágio entre pessoas ocorre no mesmo território, sem histórico de viagem ou sem que seja possível definir a origem da transmissão.

Melo reconheceu que a transmissão comunitária da variante Delta preocupa, mas destacou que os números de casos e internações estão diminuindo. Ponderou, no entanto, que caso o cenário se altere em função da Delta, não terá problemas em recuar de flexibilizações e adotar medidas mais restritivas novamente. “Não terei nenhum problema em limitar as flexibilizações, mas não vejo necessidade para isso neste momento”, disse. 


publicidade

publicidade

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895