Municípios não querem adesão

Municípios não querem adesão

Porto Alegre, Novo Hamburgo e São Leopoldo, decidiram iniciar mobilização para dialogar sobre o projeto de lei de regionalização do saneamento

TALINE OPPITZ

publicidade


As  três cidades da região da Granpal que têm serviços autônomos de abastecimento de água, Porto Alegre, Novo Hamburgo e São Leopoldo, decidiram iniciar mobilização para dialogar sobre o projeto de lei de regionalização do saneamento protocolado na Assembleia pelo governo do Estado na última semana. A iniciativa é uma exigência do novo Marco Legal do Saneamento Básico, aprovado em 2020. A União condicionou repasses de recursos federais para investimento em saneamento apenas aos municípios que aderirem aos blocos regionais. A intenção do grupo, definida em reunião ontem, é a de pedir audiências com o governador Eduardo Leite (PSDB) e o presidente da Assembleia, Gabriel Souza (MDB), para ampliar o debate sobre o projeto e, paralelamente, incluir na mobilização outras cidades que têm serviços autônomos, como Caxias do Sul, Pelotas e Bagé.

Gestores da Capital, Novo Hamburgo e São Leopoldo questionam a perda de autonomia e competência para fazer a gestão da água e do saneamento em caso de adesão à regionalização. Outro argumento é o de que a proposta do Executivo gaúcho não considera as bacias hidrográficas para a constituição das três regiões. “Esse projeto é muito relevante. O que for decidido agora terá impacto e irá marcar nosso futuro”, disse a vice-presidente da Granpal, prefeita Fátima Daudt (PSDB), que comandou a reunião. Entretanto, nos moldes atuais, as três cidades não pretendem aderir à regionalização. Segundo a proposta, Porto Alegre, Novo Hamburgo e São Leopoldo, que contam com o Dmae, Comusa e Semae, respectivamente,  fariam parte da Unidade Regional de Serviços de Saneamento Básico Noroeste e Litoral Norte, um bloco de 68 municípios com realidades diversas. A tarifa dos serviços seria a mesma, com os municípios mais viáveis economicamente ajudando a subsidiar os menos favorecidos. Segundo o diretor-geral do Dmae, Alexandre Garcia, 59 municípios do bloco Noroeste e Litoral Norte têm menos de 5 mil habitantes e 55 estão a mais de 300 quilômetros da Capital, o que dificultaria a tomada de decisões e a articulação regional. Outro projeto, também em tramitação no Legislativo,  contempla os 317 municípios atualmente atendidos pela Corsan, que está em processo de privatização


publicidade

publicidade

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895