Um ano desperdiçado pelo Inter

Um ano desperdiçado pelo Inter

Neste momento, o que resta fazer é seguir trabalhando com um olho já no ano que vem, pois a temporada 2021 será mais uma sem títulos para o Colorado.

Nando Gross

Colorado foi outra vez eliminado pelo Olimpia no Beira-Rio

publicidade

O Internacional está colhendo o que plantou, é assim na vida e no futebol não é diferente. A eleição do ano passado no clube, realizada em meio ao Campeonato Brasileiro, continua com os seus reflexos negativos. Os novos dirigentes assumiram com uma ideia para o departamento de futebol dentro de um determinado contexto, mas quando decidiram pela troca da comissão técnica, ignoraram a conjuntura e o momento do clube, nos quais o Inter tinha um time perfeitamente montado, com deficiências, mas que tinha chegado ao vice-campeonato Brasileiro e perdido na última rodada, portanto precisaria de alguns reforços, mas nas mãos de Abel tinha muito ainda a evoluir.

O óbvio a ser feito era a manutenção de toda a comissão técnica, seguir com a harmonia no vestiário e apenas agregar um pouco mais de qualidade para que os títulos não escapassem na reta final. Mas os fatos foram ignorados, e venceu a ideia de romper com tudo que estava sendo feito e começar do zero. Foram duas decisões equivocadas num curto espaço de tempo, e a consequência respingou no time, como sempre. A eleição de forma alguma deveria ter sido realizada naquela época, isso foi determinante na saída do técnico argentino Eduardo Coudet, como também não poderia ter acontecido a troca por Ramírez, pois o time estava bem, os jogadores confiavam em Abel e não havia tempo para trabalhar. Foi feito tudo errado, tinha tudo para não dar certo e foi exatamente o que aconteceu.

Na temporada 2021, o Inter perdeu o Gauchão com o Grêmio enfrentando uma crise que o levou a trocar o treinador depois de quatro anos. Ainda foi eliminado da Copa do Brasil em pleno Beira-Rio, pelo fraco time baiano do Vitória, que está na segunda divisão. Levou 5 a 1 do Fortaleza, está perto da zona de rebaixamento no Brasileirão e fora da Libertadores, outra vez eliminado pelo Olimpia no Beira-Rio. Não existe hoje uma ideia clara de o que fazer no futebol colorado, então por que o clube não cria um Conselho de Gestão para o departamento de futebol, com profissionais do esporte e ex-jogadores e treinadores identificados com o clube? Já que existe um Conselho formado por dirigentes para tratar de questões gerais da administração, que se faça um com profissionais para atuar diretamente no futebol. São muitos erros nos últimos anos e o Inter a cada temporada acaba se afastando ainda mais da sua grandeza e da possibilidade de voltar a ser protagonista no futebol brasileiro.

Neste momento, o que resta fazer é seguir trabalhando com um olho já no ano que vem, pois a temporada 2021 será mais uma sem títulos para o Colorado. Foi tudo feito errado, a precipitação foi a marca registrada, e agora estão chegando os boletos para pagar. Não tem o que fazer, é pagar a conta e arrumar a casa para o ano que vem, de preferência aprendendo com os erros cometidos.

Um time que se assusta com a bola

Na tarde deste sábado o Grêmio entra em campo na Arena para tentar uma vitória contra o América-MG. Em outros tempos, ninguém teria dúvida de uma vitória gremista, mas o momento é outro, com o time mineiro inclusive à frente na tabela de classificação. Felipão apostou 100% na retranca, tratou de fechar o time, mas não conseguiu ainda o mais importante numa equipe de futebol, que é o equilíbrio. De nada adianta ajustar a defesa e ser inofensivo no ataque. O atual time do Grêmio não sabe o que fazer quando está com a posse de bola e, contra o América-MG, qualquer resultado que não seja o de vitória, será terrível para o desafio tricolor de sair da zona de rebaixamento.

Mensagem de paz nos Jogos Olímpicos

Depois da impactante abertura dos Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro, em 2016, a abertura dos Jogos, ontem em Tóquio, foi sem dúvida uma enorme decepção. Evidente que a ausência de público foi decisiva para isso, mas em se tratando de Japão e das suas ousadas aventuras tecnológicas, todos esperavam mais. De qualquer forma, a cerimônia, mesmo tendo sido bem mais enxuta, ainda assim encantou com uma mensagem de paz ao som de “Imagine”, de John Lennon. A tenista japonesa Naomi Osaka foi a escolhida para acender a pira olímpica. É sempre emocionante a abertura de uma Olimpíada.

Japão não queria os Jogos

Centenas de manifestantes contrários à realização da Olimpíada 2020 se reuniram no entorno do Estádio Olímpico de Tóquio, durante a abertura oficial dos Jogos, e entraram em confronto com a polícia local. No lado de dentro, um estádio vazio só fazia aumentar a sensação de que, realmente, não era para acontecer agora. Uma pesquisa mostrou que mais de 80% dos japoneses moradores de Tóquio são contrários à realização do evento. Estádios vazios não representam a essência dos Jogos, e os japoneses não queriam realizá-los, mas a força da grana sempre fala mais alto.


publicidade

publicidade

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895