Elon Musk reitera comprometimento com compra do Twitter, após suspender negócio

Elon Musk reitera comprometimento com compra do Twitter, após suspender negócio

Rede social foi adquirida por US$ 44 bilhões

AFP e AE

Musk reafirma compromisso de compra do Twitter

publicidade

O CEO da Tesla, Elon Musk, assegurou, nesta sexta-feira que ainda pretende comprar o Twitter, horas depois de anunciar que o negócio estaria temporariamente suspenso. "Ainda estou comprometido com a aquisição", escreveu, em publicação na rede social.

No mês passado, o empresário fechou acordo para adquirir a rede, em uma transação avaliada em US$ 44 bilhões. Nessa quinta-feira, o Twitter confirmou a saída de dois executivos e que a maioria das contratações foi suspens. Kayvon Beykpour, gerente geral que lidera a pesquisa, o design e engenharia no Twitter, deixará a empresa, juntamente com o líder de produtos Bruce Falck. A plataforma também confirmou que suspendeu novas contratações a partir desta semana, e que está incorporando apenas cargos essenciais. 

Ao anunciar o acordo no fim de abril, Musk disse que queria transformar a rede social em algo "melhor do que nunca", "derrotando os bots de spam e com a autenticação de todos os humanos". Dados confiáveis sobre o número de usuários são considerados vitais para avaliar as futuras fontes de receita. Mas nesta sexta-feira, o CEO da Tesla publicou um link para um artigo de 2 de maio que fazia referência à última apresentação do Twitter às agências reguladoras americanas. 

"Espetáculo de terror"

A apresentação afirmou que uma revisão interna chegou à conclusão de que o Twitter tinha 229 milhões de "usuários ativos diários monetizáveis" no primeiro trimestre do ano e que apenas 5% eram consideradas contas falsas ou de spam.

O analista Dan Ives, da Wedbush, disse que o "espetáculo circense" do Twitter pode virar um "espetáculo de terror de sexta-feira 13". Investidores de Wall Street podem interpretar o tuíte como uma tentativa de Musk de sair do acordo ou forçar um preço menor, disse Ives.

"A aquisição do Twitter por Musk sempre foi destinada a ser uma estrada acidentada, e agora corre o risco de derrapar", comentou a analista Susannah Streeter, do Hargreaves Landsdown.  De acordo com ela, o número de spams e de contas falsas - e, do outro lado, o número de contas reais - é um dado crucial porque as futuras fontes de receita dependerão da publicidade ou das assinaturas pagas.

Pouco depois da primeira mensagem de Musk, a ação do grupo caiu quase 20% nas negociações eletrônicas prévias à abertura de Wall Street, a pouco mais de 36 dólares, muito abaixo dos US$ 54,2 por ação oferecidos pelo bilionário em sua proposta de compra. 

Veja Também

"Falsa e enganosa"

Musk é CEO da Tesla e SpaceX e sua fortuna é avaliada em 240 bilhões de dólares, segundo a revista Forbes. Mas seu estilo de gestão já provocou problemas com as autoridades. Ele enfrenta problemas judiciais desde que tuitou em 2018 que tinha recursos suficientes para retirar a Tesla da Bolsa, uma afirmação que um juiz determinou no mês passado como "falsa e enganosa". 

Sua possível administração da rede social registrou problemas desde que anunciou publicamente a tentativa de compra. O bilionário disse que é favorável a minimizar a moderação de conteúdo e ao retorno de Donald Trump à plataforma. 

O ex-presidente americano foi expulso do Twitter e de outras redes sociais após o ataque ao Capitólio em 6 de janeiro de 2021. Grupos de ativistas pediram que os anunciantes boicotassem a plataforma se Musk abrisse as portas para publicações abusivas e de desinformação. 


Mais Lidas


Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895