Instituto Lumière da França, sobre Cinemateca: 'desastrosa política cultural'

Instituto Lumière da França, sobre Cinemateca: 'desastrosa política cultural'

O órgão, que é dedicado à preservação da memória do cinema, condenou a gestão do governo

AE

publicidade

O Instituto Lumière, sediado em Lyon, na França, se manifestou por meio de um comunicado a respeito do incêndio que atingiu parte de um galpão da Cinemateca Brasileira, na Vila Leopoldina, zona oeste de São Paulo, nesta quinta-feira, 29, possivelmente tendo destruído cerca de 2 mil cópias de filmes raros e restaurados.

O órgão, que recebe o nome dos irmãos franceses que inventaram a técnica cinematográfica e que é dedicado à preservação da memória do cinema, condenou a gestão do governo Bolsonaro, que administra o órgão, afirmando que a Cinemateca foi vítima de "abandono" e que seu incêndio é mais um símbolo da "desastrosas política cultural" do Brasil.

O comunicado do instituto lembra que a tragédia ocorre "menos de três anos após o incêndio do Museu Nacional" e que infelizmente não é a primeira vez que a Cinemateca sofre danos, tendo passado por outros quatro incêndios e, no ano passado, um alagamento. O Lumière afirma, porém, que a "principal dificuldade de suas equipes (da Cinemateca) são, sem dúvida, as condições impostas pelo atual governo brasileiro".

O instituto lembra, ainda, dos sucessivos alertas de risco de incêndio que a Cinemateca corria, por parte dos funcionários, por meio de um manifesto em abril de 2020, e do Ministério Público, além da demissão de 41 pessoas. O Lumière encerra seu comunicado com uma fala do cineasta brasileiro Kléber Mendonça Filho, diretor de Bacurau e Aquarius, e membro do júri do Festival de Cannes deste ano, que afirmou: "O que vivemos hoje no Brasil é uma sabotagem do sistema de suporte à cultura. Esse fomento à cultura faz parte da Constituição brasileira."

 


publicidade

publicidade

publicidade

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895