Avós dos novos tempos

Avós dos novos tempos

Por Daiçon Maciel da Silva*

Correio do Povo

publicidade

Conhecidos como pai ou mãe com açúcar, nos dias atuais, os avós desempenham outras tantas funções que vão muito além de mimar os netos. Com a rotina corrida a que seus filhos são submetidos no mundo moderno, os pais dos pais que já gozam de aposentadoria, ou simplesmente têm mais tempo, assumiram o papel de cuidadores, educadores e, na maioria das vezes, se desdobram no dia a dia sem pedir nada em troca. Além disso, exercem esta tarefa regada com muito amor.

Em um mundo mais longevo, a convivência entre netos e avós também se estendeu e consequentemente o contato com os “bisos”, cada vez mais, vai além do retrato na parede. De acordo com dados do IBGE, em 1940, a expectativa de vida ao nascer no Brasil era de 45,5 anos. Esta expectativa vem subindo desde então e chegou a 76,3 anos em 2018. Enquanto a expectativa de vida dos homens é de 72,8 anos, a das mulheres chega a 79,9 anos. Conforme reportagem da Agência Brasil, os dados indicam, ainda, que a população, ao manter a tendência de envelhecimento dos últimos anos, ganhou 4,8 milhões de idosos desde 2012, superando os 30,2 milhões em 2017. Em 2012, os brasileiros com 60 anos ou mais eram 25,4 milhões.

Hoje, a energia dos homens e mulheres de 60 anos ou mais, permite dar conta dos pequenos, décadas após já terem criados os seus. No entanto, por vezes, esta vitalidade da terceira idade inibe o convívio próximo entre aqueles que têm avós na ativa, cumprindo um expediente de trabalho. Avós com até mais de 70 anos são prefeitos, médicos, arquitetas, empresários, costureiras, enfim, desempenham todas as funções do mercado de trabalho, estão longe daquele perfil do vovô e da vovó que era tão comum havia pelo menos três décadas. Isso é ruim? Acredito que não. Os avós modernos conseguem estabelecer novas conexões com as gerações do futuro. Eles curtem um “cineminha”, conversam sobre as aulas de pilates, interagem pelo WhatsApp, Facebook, Instagram e outras redes sociais.

Porém, com todas as mudanças dos novos tempos, os avós de hoje, não perderam o encanto e o jeito especial de amar os frutos dos seus frutos. A continuidade de sua essência. Nesta semana em que se comemora o Dia dos Avós, 26 de julho, concluo que ser avô é uma bênção.

*Ex-prefeito de Santo Antônio da Patrulha e avô de quatro netos


publicidade

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895