Filhotes

Filhotes

Alina Souza

publicidade

Há o cansaço depois de uma intensa cobertura jornalística da Expointer, mas há também uma agradável sensação de identificação e afetividade com os animais, sensação esta que deixa a vida mais leve e bem humorada. Lembro dos professores de ciências que explicavam que o traço o qual nos distinguia das  demais espécies era a racionalidade. Racionais? Nem tanto, às vezes as emoções gritam mais alto. Temos nossos instintos, manifestações naturais de permanência, amparo e amor. Não pensamos duas vezes na hora de defendermos nossos filhos, afugentarmos o perigo, evitarmos a dor. Eu vi mães de todos os tipos no Parque de Exposições Assis Brasil, apreensivas em garantir a proteção de seus filhotes. Eu vi filhotes saltitando em busca do prazer da liberdade. Grandes campeões concentrados em matar a fome e/ou desejosos de instantes de sono. Eu me vi neles. Eles — talvez — tenham se visto em mim também. Ora, não somos assim tão distintos, tão “superiores”. Estamos conectados pela natureza, lutamos pela sobrevivência fora das sombras do abandono.


publicidade

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895