Nem sempre formatados

Nem sempre formatados

Alina Souza

Centro Histórico de Porto Alegre.

publicidade

Em certos dias, até os prédios conversam comigo. Pronunciam formas, linhas, sequências que acomodam os sentimentos profusos, com pontas soltas, ansiosos por alguma ordem. A robustez geométrica atrai traços abstratos, faz pensar nas combinações possíveis em um mesmo plano. Junções de quadrados, retângulos e triângulos nos circundam e adentram nosso âmbito. Por todos os lados predominam retas que unem pontos, paralelas que jamais se encontram ou começam juntas e seguem distantes (diga-se de passagem, melhor a separação do que a sobreposição desalinhada). Ora milimetricamente calculado, ora resultado da matemática das coincidências. Independente das circunstâncias, a lógica necessária para organizar fluxos, compreender nosso diâmetro. Resolver problemas, dimensionar catetos, percorrer hipotenusas. Depois de todas as caixas classificadas e empilhadas, depois do encaixe dos vértices, o olhar tende a procurar novos prismas. Ainda bem: sobram rasuras e infinitos números depois das vírgulas. Resta um espaço que escapa das teorias e teoremas — cuja extensão nenhum esquadro ou compasso consegue mensurar.


publicidade

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895