Bazar de Claudia Bartelle chega à 3ª edição nesta quinta com mais de 6 mil peças à venda

Bazar de Claudia Bartelle chega à 3ª edição nesta quinta com mais de 6 mil peças à venda

Idealizadora do evento beneficente relembra edições anteriores e revela as expectativas para o retorno

Camila Souza

Bazar Claudia Bartelle & Friends teve 3 mil peças catalogadas em 2019

publicidade

Chegou o fim da espera para os visitantes e organizadores do Bazar Claudia Bartelle & Friends. Após dois anos em pausa, o evento beneficente retorna para sua 3ª edição nesta quinta-feira em Porto Alegre. Será no Salão Leopoldina (rua Marquês do Herval, 280 - Moinhos de Vento), das 10h às 19h. Para a entrada, é necessária a doação de um litro de leite.

Assim como nas outras edições, toda a renda arrecadada será revertida para a Casa de Apoio Madre Ana, espaço destinado aos familiares e pacientes mais necessitados que buscam tratamento na Santa Casa de Misericórdia de Porto Alegre, vindos do interior do Rio Grande do Sul e de outros estados.

Idealizadora do projeto, a influenciadora Claudia Bartelle conta que a ideia surgiu após ter visto a necessidade da instituição: “Me dei conta de que poderíamos fazer das roupas que não usamos mais algo maior e beneficente, e como a Casa Madre Ana precisa de doações para se sustentar, essa é uma maneira de ajudar.” 

O brechó estreou em 2018 e seguiu em 2019, mas entrou em pausa devido à pandemia. Claudia destaca que acabou se tornando um evento social feito inteiramente de doações, e que por isso não foram feitas edições online. “Tem esse grande impacto porque virou um evento que as pessoas se encontram. É tudo 100% doado, a organização, embaixadores e fornecedores, ninguém cobra nada. Isso é muito bacana, e se fizesse online, perderia esse impacto do dia que as pessoas esperam tanto”, explica.  

Para este retorno, já foram catalogadas mais de 6 mil peças, número que dobrou em comparação ao último evento, quando havia 3 mil roupas à venda. Por ser aguardada há tanto tempo, a expectativa é de que esta seja a maior edição. “Durante a pandemia, as pessoas mandaram muitas mensagens perguntando quando seria o próximo brechó. Por isso, mobilizamos tanto agora e batemos todos os recordes”, diz Claudia. Além disso, ela enfatiza que existem dois processos, a arrecadação e a venda, e que as doações só se transformam em ajuda se as peças forem vendidas.


Claudia Bartelle conta com a ajuda de amigos e marcas parceiras para realizar o evento | Foto: Ale Pinho / Divulgação / CP

Apesar de ser a criadora, Claudia Bartelle não é a única que faz o evento acontecer. Entre as marcas e pessoas apoiadoras estão Carol Bassi Brand, Anselmi, Monica Salgado, Eduarda Galvani Atelier, Alexandre Herchcovitch, Fernanda Motta, Agilita, Lalá Noleto, Paula Feijó, Leopoldina Juvenil, Charada Conceito, Hele Home, Olympikus, Óptica Foernges, e Xuxa Pires. “As pessoas acionam suas redes de contato e, então, a gente consegue atingir um grande número de parceiros, porque eu, sozinha, não conseguiria atingir tanta gente. Com essa ajuda de todos os amigos, a gente vai muito longe”, afirma.

Além de peças doadas por Claudia, amigos e marcas parceiras, a novidade deste ano é um tênis assinado pela influenciadora, com venda exclusiva no dia do evento. O produto foi criado junto com a designer Vanderleia Mello e está alinhado às tendências da moda de 2022 e ao simbolismo de transformação, evolução e reinvenção do brechó.

Moda e autoestima andam juntas

Claudia Bartelle é conhecida por expressar suas opiniões e preferências sobre moda, uma paixão que começou ainda quando pequena. “Sempre gostei de fazer roupinhas para bonecas, de montar peças, de customizar minhas roupas, então isso já começou desde cedo”, conta. 

Ela até pensou que essa não seria sua profissão, chegou a cursar Psicologia e Administração, mas acabou voltando para o caminho da moda. Em 2011, foi convidada para escrever no blog de Alice Ferraz, uma das maiores autoridades do segmento no país. “A partir disso foi um caminho natural. Depois, passei a ter o meu próprio blog para falar de moda e hoje estou aqui”. 

Durante o ano de 2021, compartilhou com seus seguidores sua experiência com o câncer de mama e quimioterapia, ajudando mulheres que também passavam pelo mesmo momento. Para Claudia, além de gerar muitos empregos, a moda é de extrema importância para a autoestima das pessoas. “Dizem que a moda é fútil, mas ela não tem nada disso. Ela faz as pessoas se sentirem mais bonitas, mais confiantes. Ano passado eu estive doente e sei como é importante a gente trabalhar a autoestima, se sentir bem, se vestir bem, e isso tudo é moda”, destaca.

Veja Também


Mais Lidas


Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895