“Os Melhores Anos de Uma Vida” (Les Plus belles années d'une vie)

“Os Melhores Anos de Uma Vida” (Les Plus belles années d'une vie)

Filme mostra casal de amantes depois de 50 anos

Chico Izidro

Jean-Louis Duroc (Jean-Louis Trintignant) e Anne Gauthier (Anouk Aimée) 55 anos depois do primeiro filme

publicidade

“Os Melhores Anos de uma Vida” fecha a trilogia iniciada 55 anos atrás com “Um Homem, uma Mulher” e sequenciada, em 1986, com “Um Homem, uma Mulher 20 Anos Depois”, do prolífico diretor francês Claude Lelouch, e é uma obra comovente, e nostálgica. O filme  acompanha os personagens Jean-Louis Duroc (Jean-Louis Trintignant) e Anne Gauthier (Anouk Aimée) cinquenta anos depois de quando se conheceram e tiveram um romance.

Na história, repleta de flash-backs, Jean-Louis está internado numa casa de repouso, e distante daquele homem bonito e sedutor. Com claros sintomas de Alzheimer, o ex-piloto de corridas parece perdido nos caminhos de sua memória. Para ajudá-lo, seu filho procura a mulher que seu pai não foi capaz de manter, mas sobre quem lembrava frequentemente. Anne, então, vai visitar Jean-Louis, para animá-lo. Porém, ele parece não reconhecer a ex-amante. Por vezes, a história mostra Jean-Louis lépido, dirigindo, esperto, mas são apenas devaneios dele.

O diretor conta que seus filmes estão sempre em busca de emoções. Cada um deles explora novas maneiras de ele comunicar o que considera mais importante. “Acho profundamente emocionante ver Jean-Louis e Anouk anos depois, no espaço de um segundo. É um segundo da eternidade que abre um buraco no tempo. As emoções são trazidas em círculo completo. As imagens de Jean-Louis e Anouk de duas épocas diferentes apenas intensificam nossas emoções”, explicou Lelouch.

A ideia de retomar a história dos personagens surgiu durante a festa do cinquentenário de “Um Homem, uma Mulher”. O diretor observou Jean-Louis e Anouk conversando e percebeu que todo mundo estava rindo e se divertindo. “Foi maravilhoso para todos nós nos reunirmos novamente. Era como se algo tivesse ficado inacabado e nenhum de nós queria que terminasse. Naquele dia, vi o que tornou Anouk e Jean-Louis ainda maravilhosamente únicos depois de todos esses anos”, destacou.

“Pensei comigo mesmo que seria fantástico tê-los juntos novamente, como um par de noivos eternos que ainda tinham que dizer suas palavras finais - palavras que também poderiam ser as primeiras”, lembrou Lelouch, que ainda complementou: “na nossa idade, eu poderia fazer Anouk e Jean-Louis dizerem praticamente qualquer coisa. Como eu, eles estão no terceiro ‘trimestre’ de suas vidas. Finalmente, podemos dizer o que realmente pensamos, enquanto no dia a dia tendemos a moderar as palavras”, finalizou.

Trailer: https://www.youtube.com/watch?v=ytVmyZBBZhg

Leia demais posts do blog


publicidade

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895