Dependência do chip

Dependência do chip

Falta do semicondutor pode impactar montadoras num futuro próximo

Renato Rossi

publicidade

A Fiat se distancia da concorrência com 26% de participação de mercado. Produz bons automóveis, sem dúvida. Mas a liderança é, em parte, consequência da crise do semicondutor. O chip está em falta no mundo, e unidades industriais param de produzir. E os carros que faziam sucesso, despencam. É o caso do Onix, que foi líder absoluto de mercado de 2016 a 2020. Chegou a vender mais de 20 mil unidades por mês. Em junho, o Onix ficou na 21ª posição no ranking. A razão: a GM tem fábricas paralisadas no mundo. O que inclui a unidade de Gravataí, que produz o Onix. 

A Stellantis, por enquanto, se segura. Mas o presidente mundial, Carlos Tavares, afirmou à imprensa europeia que a falta do semicondutor pode impactar o grupo num futuro próximo. Na semana passada, a Peugeot anunciou que substitui componentes digitais por analógicos. Um novo painel do 308 mostra velocímetro e conta-giros analógicos. As publicações direcionadas à tecnologia na França denunciaram a mudança como atraso tecnológico. Tavares respondeu que é adaptação necessária para manter a produção da Peugeot. 

Em média, um automóvel leva de 50 a 150 chips. Que são a essência de sistemas direcionados à segurança ativa e passiva como o controle adaptativo de velocidade, frenagem emergencial automática, assistente à linha reta, entre outros. Mas como garantir o mercado automotivo ou a eventual liderança quando se sabe que 80% da fabricação global de semicondutores é da Taiwan TSMC, que tem o estoque comprometido com a Samsung, Apple e outros gigantes da eletrônica, que compraram em 2020 toda a produção de chips rejeitada pelas montadoras que temiam a pandemia? Agora é tarde.

 


publicidade

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895