"Matou, a gente pega", diz secretário sobre prisão de Paulo Cupertino

"Matou, a gente pega", diz secretário sobre prisão de Paulo Cupertino

O general João Camilo Pires de Campos, responsável pela pasta da Segurança Pública, comemorou a prisão do empresário acusado de triplo homicídio e que estava foragido desde 2019

R7

Camilo Pires de Campos é responsável pela pasta da Segurança Pública

publicidade

O secretário de Segurança Pública do Estado de São Paulo, o general João Camilo Pires de Campos, comemorou a prisão de Paulo Cupertino, detido na segunda-feira (16) na capital paulista. "Matou gente em São Paulo, a gente pega", disse em entrevista à Rádio Eldorado na manhã desta terça-feira (17). Cupertino era procurado havia três anos após ser acusado de matar o ator Rafael Miguel e seus pais.

"Pode demorar um ano, dois, três, dez (anos). Cometeu crime em São Paulo, vai ser preso", falou o general. Cupertino estava foragido há três anos e liderava a lista das pessoas mais procuradas de São Paulo. Ele é acusado de triplo homicídio duplamente qualificado, por motivo fútil e sem possibilidade de defesa das vítimas.

Em audiência de custódia nesta terça, foi mantida sua prisão preventiva. Cupertino foi transferido para o Centro de Detenção Provisória de Chácara Belém I, na zona leste de São Paulo. 

Operação Sufoco

O secretário de segurança informou ainda que, durante os 13 primeiros dias da Operação Sufoco, deflagrada em 4 de maio, e cujo objetivo é conter a onda de furtos e roubos da capital por meio do aumento do número de policiais militares nas ruas da cidade, 1.352 pessoas foram presas, mais de 55 mil carros e 29 mil motocicletas foram vistoriadas - sendo 919 motos apreendidas - e 151 veículos roubados ou furtados foram localizados.

Além disso, cerca de 90 armas e 10 toneladas de drogas foram apreendidas. Campos atribui a alta de roubos e furtos na capital paulista ao aumento da circulação social e econômica na cidade durante os primeiros meses deste ano, após o relaxamento das medidas de isolamento social pela pandemia.


Mais Lidas


Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895