Execução de traficante é investigada em Canoas

Execução de traficante é investigada em Canoas

Vítima conduzia um Audi quando foi alvo de disparos no bairro Mathias Velho

Correio do Povo

Execução de traficante é investigada em Canoas

publicidade

A Delegacia de Polícia de Homicídios e Proteção à Pessoa (DPHPP) de Canoas investiga a execução de um traficante de drogas, com antecedentes por roubo a banco, ocorrida na noite dessa quarta-feira no bairro Mathias Velho. “As investigações ainda estão em fase inicial e nenhuma hipótese pode ser descartada, embora as características de execução do crime indiquem a participação de alguma organização criminosa no fato", declarou o delegado Ricardo Milesi na manhã desta quinta-feira à reportagem do Correio do Povo.

A vítima, de 29 anos, conduzia um Audi pela avenida Rio Grande do Sul, quando foi alvo de disparos de arma de fogo vindos dos ocupantes de uma uma caminhonete de cor preta. Desgovernado, o automóvel capotou em seguida na pista. Policiais militares do 15º BPM foram acionados e compareceram inicialmente no local, que ficou isolado para o trabalho do Instituto-Geral de Perícias.

Após o crime, áudios circularam nas redes sociais e alertavam sobre uma onda de violência em algumas áreas de Canoas como consequência do assassinato. Na manhã desta quinta-feira, a Brigada Militar divulgou nota oficial sobre o assunto através do 15º BPM.

“Informamos que não há motivo para pânico o policiamento está reforçado e atendo a todas as movimentações anormais, muitos desses áudios são ânimos sem fundamentos. Com certeza, a partir de agora a investigação criminal e a inteligência trabalharam para elucidar e evitar represália e confrontos futuros. Mantemos o policiamento reforçado para a preservação da ordem pública e a segurança da comunidade”, informou no comunicado.

Antecedentes 

Apontada como uma liderança do narcotráfico na região, a vítima já fez parte de uma quadrilha responsável por ataques com explosivos contra agências bancárias e carros-fortes na década de 2010. Pelo 20 ações do bando foram cometidas na época.

O criminoso seria ferido e preso em fevereiro de 2016 com irmão durante um confronto durante uma operação do Departamento Estadual de Investigações Criminais (Deic) da Polícia Civil em um sítio na zona rural de Mormaço. No confronto, o líder do grupo morreu na troca de tiros. Fuzis, espingardas, pistolas, toucas ninja, máscaras cirúrgicas, coletes balísticos, barras de ferro e explosivos foram apreendidos.  

 


publicidade

publicidade

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895