Saldo de enchentes no Afeganistão sobe para 113 mortos e 110 desaparecidos

Saldo de enchentes no Afeganistão sobe para 113 mortos e 110 desaparecidos

Número de óbitos quase dobrou nas últimas 24 horas

AFP

Número de vítimas quase dobrou nas últimas 24 horas

publicidade

Ao menos 113 pessoas morreram pelas enchentes repentinas na noite de quarta-feira na província de Nuristão, no nordeste do Afeganistão, e outras 110 continuam desaparecidas, segundo um novo balanço comunicado neste sábado à AFP. O resultado do desastre provocado pelas chuvas torrenciais no distrito de Kamdesh, 200 km ao nordeste de Cabul, "alcança agora os 113 mortos", declarou à AFP Tamim Azimi, porta-voz do ministério afegão de gestão de catástrofes. Além disso, "110 continuam desaparecidas, 173 casas foram totalmente destruídas, assim como dez comércios e seis pontes", acrescentou. O saldo anterior publicado na sexta-feira era de 60 mortos e 180 desaparecidos.

Saeed Momand, porta-voz do governador da província, confirmou à AFP o saldo de 113 mortos, mas afirmou que o número exato de desaparecidos ainda é desconhecido. Esse tipo de catástrofe é frequente no país, sobretudo, nas zonas rurais pobres, onde as casas são de construção precária e se encontram em áreas de risco. As enchentes costumam deixar dezenas de vítimas a cada ano. Uma inundação repentina matou mais de 100 pessoas em agosto de 2020 na cidade de Charikar, capital da província de Parwan.

A falta de equipamentos e de infraestrutura dificulta as tarefas de resgate e o envio de ajuda para as áreas isoladas deste país empobrecido por 40 anos de guerra e conflitos. Esta nova tragédia se dá no momento em que o governo luta contra uma ampla ofensiva dos talibãs, que se apoderaram de extensos territórios em poucos meses. Além disso, o Afeganistão enfrenta uma terceira onda de Covid-19.


publicidade

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895