Israel lança campanha da terceira dose anticovid para maiores de 60

Israel lança campanha da terceira dose anticovid para maiores de 60

A administração de três doses da vacina, no entanto, ainda não foi aprovada pelas autoridades sanitárias

AFP

Israel lança campanha da terceira dose anticovid para maiores de 60

publicidade

Enquanto muitos países ocidentais ainda se esforçam para aplicar o esquema completo de vacinação anticovid-19 à sua população, Israel entra em um terreno desconhecido, ao começar a administrar, a partir desta sexta-feira(30), uma terceira dose em pessoas com mais de 60 anos.

Para promover a campanha, o presidente Isaac Herzog, 60, e sua mulher, Michal, receberam a terceira dose do imunizante da Pfizer/BioNTech no Hospital Sheba, no subúrbio de Tel Aviv. O ex-primeiro-ministro Benjamin Netanyahu também foi vacinado com a terceira dose. "Começamos a campanha de reforço da vacinação, para que a vida possa voltar ao normal o mais rápido possível", declarou o presidente Herzog, após ser vacinado.

A administração de três doses da vacina anticovid-19 reforça a proteção contra a contagiosa variante Delta, segundo o laboratório da Pfizer, mas não foi aprovada pelas autoridades sanitárias dos Estados Unidos, nem da União Europeia.

A decisão de Israel "se baseia na opinião de especialistas, na lógica, mas não em evidência científica sólida. Mas tudo bem", disse à AFP Hagai Levine, epidemiologista da Universidade Hebraica de Jerusalém. "Na saúde pública e na medicina, às vezes você toma decisões com base em sua experiência e no seu raciocínio", acrescentou.

Vacinação

Israel fez uma rápida campanha de vacinação, graças a um acordo com a Pfizer/BioNTech, e suspendeu muitas restrições em junho, quando os novos casos de Covid-19 caíram de 10.000 para menos de 100 por dia.

Nas últimas semanas, porém, o número de contágios voltou a subir, e medidas como o uso obrigatório de máscara em espaços públicos fechados voltaram a ser adotadas.

No território, 55% de seus nove milhões de habitantes completaram o esquema de vacinação, mas cerca de um milhão rejeita ser vacinado.

Diante do aumento de casos, o primeiro-ministro Naftali Bennett anunciou uma campanha para injetar uma terceira dose em pessoas com 60 anos, ou mais, devido ao temor despertado pela variante Delta. Em meados de julho, o governo havia autorizado essa terceira injeção para pacientes com quadro de imunodepressão severa, ou seja, aqueles cujo frágil sistema imunológico os torna particularmente vulneráveis ao vírus.

"Israel é o pioneiro, tomando a dianteira com uma terceira dose da vacina para pessoas com 60 anos e mais", disse Bennett, de 49, que acompanhou o presidente Herzog ao hospital nesta sexta-feira. "A única maneira de vencer a covid é agirmos juntos. Juntos significa compartilhar informações, métodos, conselhos, etapas práticas. O Estado de Israel está aberto a compartilhar todas as informações que obterá desta medida audaciosa", acrescentou.

De acordo com a Pfizer, que produz a vacina mais usada em Israel, "novos estudos mostram que uma terceira dose tem efeitos neutralizadores contra a variante delta, [que são] cinco vezes mais elevados entre os jovens e mais de 11 vezes entre os mais velhos".

Por enquanto, porém, a agência responsável pelo setor de medicamentos e alimentos nos Estados Unidos (FDA, na sigla em inglês), cujas recomendações são, em geral, seguidas por Israel, não deu sinal verde para a injeção de uma terceira dose.

Aumento de Casos

Nas últimas 24 horas, Israel registrou mais de 2.100 casos de Covid-19, conforme dados divulgados nesta sexta. Além disso, 286 pacientes se encontram internados, 160 deles em estado crítico.

Veja Também

 


publicidade

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895