Austrália abrirá fronteiras quando 80% de seus cidadãos estiverem vacinados

Austrália abrirá fronteiras quando 80% de seus cidadãos estiverem vacinados

Até o momento, apenas 14% de seus 25 milhões de cidadãos está completamente vacinado

AFP

Austrália abrirá fronteiras quando 80% de seus cidadãos estiverem vacinados

publicidade

A Austrália reabrirá suas fronteiras e aliviará as restrições quando vacinar completamente 80% de sua população, disse nesta sexta-feira (30) o primeiro-ministro Scott Morrison.

Um ano e meio depois que a Austrália se isolou do resto do mundo afetado pela pandemia, fechando suas fronteiras de entrada e saída, Morrison revelou uma série de objetivos que poderiam começar a serem alcançados no final do ano e que permitiriam aliviar suas severas restrições.

Apesar de ter transformado o país em uma espécie de fortaleza e dos vários confinamentos, cerca de seis milhões de australianos continuam confinados em casa, a maioria em Sydney, enquanto as autoridades tentam voltar à meta de zero casos de Covid-19.

Morrison afirmou que quando chegar a 70% da população vacinada, os imunizados poderão evitar algumas das restrições domésticas e será permitido o acesso para estudantes de intercâmbio e pessoas com vistos econômicos. "Acredito que podemos chegar lá no final de ano", disse.

Quando alcançar 80%, os australianos vacinados poderão voltar a viajar ao exterior e as fronteiras serão reabertas para cidadãos de países seguros que tenham recebido uma das vacinas aprovadas pelas autoridades nacionais.

Morrison, que busca a reeleição no próximo ano, evitou definir um prazo para essas medidas, insistindo que dependerá dos australianos. Até o momento, apenas 14% de seus 25 milhões de cidadãos está completamente vacinado.

A rigorosa política australiana conseguiu que apenas 34 mil pessoas se contagiassem com Covid-19 desde o início da pandemia. Por outro lado, também causou o primeiro declínio populacional desde a Primeira Guerra Mundial, deixou dezenas de milhares de cidadãos expatriados sem poderem voltar aos seu países e está prejudicando uma economia já instável.

Veja Também

 


publicidade

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895