Discussão paralisa julgamento do caso Kiss na parte da manhã

Discussão paralisa julgamento do caso Kiss na parte da manhã

Advogado Jean Severo discutiu com o juiz Orlando Faccini

André Malinoski

Advogado Jean Severo se exaltou durante depoimento de funcionário de casa de fogos

publicidade

Uma discussão acalorada envolvendo o advogado Jean Severo, defensor do réu Luciano Bonilha, e o juiz Orlando Faccini Neto, durante o julgamento do caso da Boate Kiss, chegou a provocar a paralisação da sessão na manhã desta sexta-feira. A troca de farpas ocorreu durante o depoimento de Daniel Rodrigues da Silva, que trabalhava na loja em que o artefato que deu origem ao incêndio foi vendido. O atrito começou a partir do momento em que Silva se recusou a se responder um questionamento. 

 

Ao longo da pausa, a promotora Lúcia Callegari concedeu uma entrevista e desaprovou o comportamento visto no julgamento. “Houve desrespeito às testemunhas. É a tática da defesa de querer trazer outras responsabilidades para o julgamento. Temos quatro pessoas sentadas no banco dos réus que precisam ser condenadas. Minha preocupação é não deixar os jurados estressados. Na plateia também há familiares tensos. Estou preocupada com a saúde do Flávio Silva (presidente da Associação dos Familiares de Vítimas e Sobreviventes da Tragédia de Santa Maria), que passou por um procedimento cardíaco há poucos dias”, afirmou a promotora da acusação. Questionada sobre a ameaça do advogado Jean Severo de deixar o julgamento, a promotora foi direta:

“O Jean sempre faz isso. É o teatro dele”. Na volta da pausa, o juiz Orlando Faccini Neto disse que nunca tinha paralisado um júri em função dos ânimos alterados.

 

 

Veja Também


publicidade

publicidade

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895