Com 502 óbitos, RS bate novo recorde de registro de mortes diárias por Covid-19

Com 502 óbitos, RS bate novo recorde de registro de mortes diárias por Covid-19

Secretaria Estadual de Saúde contabilizou 9.767 casos novos de coronavírus

Correio do Povo

Ao todo, já morreram 15. 606 pessoas no Estado por causa da Covid-19

publicidade

O Rio Grande do Sul bateu, nesta terça-feira, um novo recorde de registro de mortes diárias por Covid-19. De acordo com a Secretaria Estadual de Saúde (SES), 502 óbitos foram contabilizados, em 140 cidades gaúchas. Ao todo, já morreram 15.606 pessoas no Estado por causa da doença. 

Este é o maior número de vítimas da doença registradas no Estado desde o início da pandemia. A última vez ocorreu no sábado, quando foram 331 vidas perdidas em decorrência da doença. 

Ainda hoje, a Secretaria também contabilizou 9.767 novos infectados, em 386 municípios gaúchos, nas últimas 24 horas. Com os dados, o Estado totaliza 754.175 casos confirmados do coronavírus. Destes, 703.386 (93%) já se recuperaram, enquanto que 35.119 (5%) estão em acompanhamento. 

A taxa de ocupação de leitos em UTI em geral, no Rio Grande do Sul, é de 107,8%, segundo a Secretaria Estadual de Saúde, com 3.433 pacientes em 3.186 leitos de UTI. 

Até esta terça-feira, 843.030 pessoas já foram vacinadas no Estado contra a Covid-19. Nesta semana, o território gaúcho deve receber mais 318,2 mil doses da Coronavac do Ministério da Saúde. 

Veja Também

Março tem o maior número de mortes por Covid-19

Apenas com os dados da primeira quinzena, o mês de março já acumulou mais mortes por Covid-19 do que todos os outros meses do último ano. Outro fator que chamou a atenção dos especialistas foi a mudança de perfil dos pacientes que vieram a óbitos em decorrência do vírus. Dos 2.360 óbitos ocorridos até o último dia 15, 388 não tinham doenças consideradas fatores de risco, o que corresponde a mais de 16,4%. Em junho do ano passado, por exemplo, além do total de óbitos ser inferior (439), essa proporção era menor: pouco mais de 6%. 

A maior parte das comorbidades nos óbitos por coronavírus ainda prevalece nos idosos, como é o caso das doenças cardiovasculares, diabetes mellitus e hipertensão. Já obesidade e imunodeficiência são algumas das comorbidades mais presentes em não idosos mortos pela Covid-19.

Tanto especialistas da saúde como o governo do Estado acreditam que estes dados podem estar ligados à presença de variantes do coronavírus em solo gaúcho. Ao todo, 20 linhagens ou variantes do coronavírus circulam desde março de 2020. Os especialistas vinculados à Secretaria Estadual da Saúde (SES) afirmaram que, de todas as variantes, a que mais preocupa no momento é a P.1, que surgiu em Manaus e apareceu pela primeira vez em território gaúcho na cidade de Gramado, no dia 14 de janeiro.


publicidade

publicidade

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895