Bolsonaro passa segunda noite em hospital, ainda sem previsão de alta

Bolsonaro passa segunda noite em hospital, ainda sem previsão de alta

Presidente foi internado na quarta-feira em Brasília, e transferido no mesmo dia para Vila Nova Star, na zona sul de São Paulo

R7

Presidente Jair Bolsonaro segue internado no hospital Vila Nova Star, em São Paulo, e vive a expectativa de receber alta nesta sexta-feira

publicidade

O presidente Jair Bolsonaro passou a segunda noite internado no hospital Vila Nova Star, na zona sul da capital paulista. Ele segue sem previsão de alta.

Na manhã desta sexta-feira, o presidente recebeu a visita do filho Carlos Bolsonaro. Vários carros oficiais chegaram ao hospital, segundo a equipe de reportagem da RecordTV que está no local.

Segundo o último boletim médico, divulgado às 20h de quinta-feira, o quadro de saúde do presidente, internado por causa de uma obstrução intestinal na quarta-feira, evolui de forma satisfatória. A sonda nasogástrica (do nariz ao estômago) foi retirada e a alimentação regular deve começar hoje.

O próximo boletim deve ser divulgado nesta manhã. Em entrevista ontem à RedeTV, o presidente afirmou que uma nova cirurgia está descartada e que espera ter alta nesta sexta. No fim da tarde de ontem, a primeira-dama, Michelle Bolsonaro, postou uma foto em suas redes sociais de Bolsonaro sorrindo ao lado de uma outra paciente.

O presidente se internou na quarta após sentir dores abdominais durante a madrugada. Ele vinha reclamando que estava soluçando sem parar há 11 dias. Na noite do mesmo dia, ele foi transferido do Hospital das Forças Armadas, em Brasília, para o Vila Nova Star, da zona sul de São Paulo.

De acordo com os médicos, a obstrução no intestino é uma decorrência das cirurgias feitas pelo presidente desde a facada sofrida em setembro de 2018, durante a campanha presidencial. Desde o atentado, o presidente é acompanhado pelo cirurgião gástrico Antonio Luiz Macedo. O presidente passou por seis cirurgias como consequência da facada. Foram quatro em 2018, e duas em 2019 - para retirada da bolsa de colostomia e para correção de uma hérnia na incisão da cirurgia.

Na última noite, um grupo religioso se reuniu na frente do hospital para rezar pelo presidente. Apoiadores trouxeram também faixas e cartazes de apoio a Bolsonaro.

Veja Também


publicidade

publicidade

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895